Franquias ABF

GARANTA O SEU TRATAMENTO PERSONALIZADO
(11) 2028-5782 OU (11) 2028-9622

Manual do Paciente

Manual do Paciente

  1. IMPLANTES DENTÁRIOS

São artefatos confeccionados em titânio puro. Se parecem com parafusos e são instalados na maxila e mandíbula através de uma pequena cirurgia. Com uma técnica moderna e eficiente, os implantes dentários representam um tratamento de grande confiabilidade e bem estar para o paciente. Os implantes dentários permitem: estabilizar sua dentadura, trocar sua dentadura ou prótese parcial removível por uma prótese fixa e repor dentes perdidos sem desgastar os vizinhos. Ainda melhoram sua qualidade de vida, eliminando muita das inseguranças associadas às dentaduras ou pontes móveis, além de aumentarem sua eficiência mastigatória e estética.

Após a cirurgia para instalação dos implantes dentários, é necessário que se espere por um período de 3 a 6 meses para que haja a cicatrização óssea e com isso o implante se una ao osso. Durante esse tempo usa-se uma prótese provisória que não sobrecarrega os implantes dentários. Essa união é chamada de osseointegração. Nesse período de cicatrização devem-se tomar todos os cuidados necessários para uma boa reparação, seguindo todos os cuidados de pré e pós-operatório.

Após a cicatrização dos implantes dentários, eles servirão como se fossem as raízes dos dentes e podem suportar coroas dentais feitas em laboratório de prótese. Portanto, após a fase cirúrgica inicia-se a fase protética, onde serão confeccionados os dentes sobre os implantes dentários previamente instalados.

Existe a rejeição dos implantes dentários?

Não. Rejeição ocorre quando um órgão é transplantado de uma pessoa para outra (ex.: coração, rins, etc.) Esta seria a resposta do organismo frente ao corpo estranho.

Nos implantes dentários não ocorre rejeições, primeiramente porque não são transplantes e também porque não são órgãos, e sim, metais. Apresentam características que o organismo aceita, chamadas de bio-compatíveis e bioinertes.

O que pode acontecer é o insucesso, ou seja, não ocorrer união do osso ao implante, e isto pode acontecer após a cirurgia mesmo, antes ou após a colocação do dente. Este fato representa um índice muito pequeno, cerca de 3% dos casos, onde é indicada a instalação de implantes dentários. Se houver possibilidade de recolocá-lo, o mesmo será feito, porém, se não for possível esta recolocação por algum motivo, outra solução protética será oferecida.

  1. CARGA IMEDIATA

Carga imediata é uma técnica de reabilitação usada há mais de 10 anos com sucesso, e hoje com os constantes avanços tecnológicos, encontra-se ao alcance de todos.

Ela consiste na instalação dos implantes dentários e colocação de prótese na mesma cirurgia, sem a necessidade de esperar que ocorra a cicatrização, e difere do método convencional, onde se esperaria a cicatrização para começas a fase laboratorial protética. O tratamento convencional teria o tempo de duração aproximado de 5 à 8 meses até a finalização da prótese. Somente a partir daí é que o paciente começaria a mastigar e se alimentar normalmente. Já com o referido método, carga imediata, o procedimento tem seu início e seu fim em apenas alguns dias. Para se fazer a carga imediata, é necessário um estudo prévio do paciente. Através de um molde serão avaliados criteriosamente todos os detalhes de sua mordida (oclusão), além de fatores de saúde em geral descritos em um longo questionário.

Deverá ser estudado detalhadamente todo o aspecto ósseo em termos de quantidade e qualidade, o que determinará toda a possibilidade de executar a cirurgia para instalação de implantes dentários.

Porém o ato cirúrgico é determinante para dar sequência aos trabalhos, pois os implantes dentários devem ficar estabilizados (ancorados) com máxima resistência ao osso.

Caso a cirurgia não promova esta tal estabilidade dos implantes dentários, que se deve ao fato de o osso não oferecer a resistência esperada, a carga imediata deve ser abortada, interrompida, e o paciente sairá com uma prótese total (dentadura), pois os implantes dentários não suportarão tal carga, devendo-se esperar o tempo estipulado para a cicatrização, e posteriormente, a utilização dos implantes dentários para reabilitação, com maior segurança e previsibilidade.

A realização do procedimento envolve um grupo de pessoas que trabalham quase com exclusividade para o paciente. Como já mencionado, a fase cirúrgica e protética leva alguns dias, mas dependendo da complexidade do caso pode ser realizada em um único dia. Nesse período, o paciente deve ficar exclusivamente à nossa disposição, pois as provas devem ser realizadas de imediato tão logo fiquem prontas.

É importante observar que o procedimento é bastante cansativo ao paciente, o qual deve-se abster de compromissos sociais e profissionais, inclusive porque ele ficará desprovido de seus dentes ou usando apenas as próteses que possui. Mas vale lembrar que é compensador o esforço para mastigar e sorrir novamente.

  1. IMPLANTE ZIGOMÁTICO

Os implantes Zigomáticos foram criados e desenvolvidos pelo Prof. Branemark, o mesmo que inventou os implantes ossointegrados, na década de 80.

Esta modalidade de implantes, é indicada para pacientes que não têm quantidade óssea suficiente para instalação de implantes dentários na maxila, principalmente na região posterior. Estes pacientes, ao invés de serem submetidos a enxertos ósseos, a fim de adquirir quantidade óssea suficiente para a instalação de implantes dentários, são submetidos à de longos implantes nos ossos Zigomáticos, simplificando e agilizando o tratamento.

Na maioria dos casos existe a possibilidade de realização da carga imediata sobre estes Implantes Zigomáticos. A cirurgia para instalação dos implantes nestas áreas é realizada em ambiente hospitalar, sob anestesia geral, a mesma será realizada por um médico anestesista altamente capacitado. O paciente, na maioria das vezes, realiza a cirurgia pela manhã e é liberado do hospital no fim da tarde. Se a cirurgia for realizada à tarde, quase sempre teremos a possibilidade de reabilitação por meio de uma prótese fixa.

  1. ENXERTOS

Quando o paciente perde seus dentes existe um prejuízo ainda maior, pois ele perde também osso e gengiva, o que pode tornar os implantes dentários inviáveis se não houver uma quantidade mínima exigida de osso. Também pode ser esteticamente complicado, se não houver gengiva suficiente, pois a coroa do dente poderá ficar demasiadamente alongada. Quando isto ocorre, poderemos lançar mão de enxertos ósseos.

Esse osso pode vir do próprio paciente (mandíbula, ilíaco, calota craniana), se for necessário uma grande quantidade, ou ainda, para quantidades menores poderá ser utilizado osso bovino ou sintético. Há igualmente a possibilidade de se obter osso através de banco de ossos, que funcionam regulamentados pelo ministério da saúde, sendo, portanto totalmente seguro.

A cirurgia de enxerto é um fator que exige muito cuidado, pois é mais delicada que a cirurgia de implantes dentários. Não pode haver pressão, trauma ou algum descuido na região operada, devendo-se seguir todas as recomendações do cirurgião.

Neste tipo de cirurgia, hematomas e inchaços são mais comuns, mas também não provocam dor, apenas desconforto.

Com este tipo de procedimento será possível obter um ganho ósseo suficiente para a colocação dos implantes dentários e, posteriormente permitir a confecção das próteses.

Cuidados pré e pós-operatórios:

É de extrema importância que haja colaboração do paciente antes e depois do ato cirúrgico. Sem estes cuidados, a cicatrização e a integração entre osso e implante dentários pode ficar bastante comprometida. De maneira geral , os cuidados pré cirúrgicos (além da medicação prescrita pelo cirurgião) consistem em:

  1. Alimentação normal até 2h antes da cirurgia;
  2. Comparecer à clinica vestindo roupas confortáveis;
  3. Se possível vir acompanhado(a), apenas para conforto psicológico;
  4. Planejar previamente a ausência no trabalho;
  5. Deixar preparada em casa uma alimentação liquida, como sopa, suco, vitaminas, sorvete, etc.
  6. Depois de realizada a cirurgia, existem limitações para o paciente operado.

Os cuidados pós-cirúrgicos são os seguintes:

  1. Alimentação fria/gelada, líquida/pastosa durante 24h (sorvete, suco, vitamina, etc);
  2. Evitar pressão interna na boca nas primeiras 72h (não cuspir, bochechar ou tomar líquidos com canudinho);
  3. Para implantes dentários ou enxertos superiores não assoar o nariz nem usar descongestionante nasal;
  4. Repouso tanto quanto possível, evitar esforços físicos e a prática de esportes nas primeiras 24h;
  5. Não ingerir bebidas alcoólicas e não fumar;
  6. Seguir prescrição das medicações conforme orientação do cirurgião;
  7. Higienizar área operada escovando-a bem lentamente;
  8. Após 24hrs usar PERIOGARD para higienização;
  9. Inchaço e hematomas podem ocorrer. Para isso aplicações de gelo externamente são indicadas, após a cirurgia, por 4 horas;
  10. Evitar falar;
  11. Não dormir do lado operado; colocar um travesseiro a mais, deitando de barriga para cima;
  12. Retornar para remoção da sutura (pontos) conforme marcação;

Manutenção e cuidados dos trabalhos realizados:

Alguns cuidados para um bom desempenho no seu tratamento odontológico:

  • Dificilmente ocorre hemorragia abundante e continua, mas um pequeno sangramento é normal;
  • Qualquer dúvida ou necessidade de orientação, entrar em contato com o cirurgião;
  • Os pacientes que usam próteses removíveis, deverão seguir as orientações dadas pelo cirurgião após a cirurgia, pois estas deverão ter cuidados especiais de ajustes, manutenção, controle e, em alguns casos, o paciente deverá ficar sem prótese ou fazer uma provisória, como por exemplo em casos de enxerto ou implantes dentários.

Procure não faltar nem atrasar para as consultas, se for perder alguma, procure remarcar tão logo seja possível e o melhor a fazer se houver disponibilidade, é chegar minutos antes à consulta, mas lembre-se que o dentista pode ter alguma intercorrência na consulta anterior e, se atrasar, mantenha seus dentes escovados e tenha hábitos alimentares saudáveis. Tenha paciência, pois nem sempre é possível realizá-la de maneira rápida. Controle suas ansiedades e evite trazer crianças, pois não é um ambiente próprio para elas.

Cuidados para preservar seus dentes saudáveis:

A placa bacteriana é a principal causadora de doenças como cárie, gengivite e periodontite, doenças que levam a perda dos dentes.

Para removê-la é necessário escovar os dentes, principalmente após as refeições, e como complementação, usar fio ou fita dental.

É importante lembrar que os implantes dentários também estão sujeitos a inflamações gengivais, causadas pela higienização incorreta ou deficiente.

Uma boa técnica de escovação é muito importante posicione a escova lentamente inclinada, num ângulo de 45 graus, na direção em que se junta a gengiva e o dente. Comprima as cerdas suavemente contra as gengivas com um movimento curto de vai e vem. Sempre de 2 em 2 dentes. Tenha certeza que limpou todas as superfícies externas e internas dos dentes e por fim, escove a parte superior da língua. Use escova de cerdas macias, de cabeça pequena, e creme dental com flúor.

Use corretamente o fio/fita dental:

Corte aproximadamente 45cm de fio e enrole as extremidades nos dedos médios. Use os polegares e os indicadores para conduzi-lo cuidadosamente entre os dentes, penetrando levemente na linha da gengiva e removendo a placa bacteriana.

Para pacientes que possuem próteses fixas sobre dentes ou implantes dentários, sugerimos a complementação da higienização com aparelhos que funcionam com um “jato de ar sob pressão”, existem algumas marcas disponíveis no mercado, peça indicação ao se dentista.

Dicas para usuários de próteses totais, parciais removíveis e fixas:

É sabido que as pessoas devem ir ao dentista pelo menos uma vez ao ano. Algumas pessoas devem retornar de seis em seis meses, outras de três em três meses. Esta conduta dependerá da orientação do dentista frente a cada caso específico.

A consulta de retorno é muito importante. É através dela que o dentista poderá avaliar as necessidades individuais de cada paciente.

No caso de pacientes que receberam implantes dentários, este retorno é fundamental, pois dele dependerá a manutenção da saúde bucal eliminando focos de uma infecção, inflamação, restaurações quebradas, as quais provocariam uma sobrecarga e possível injúria aos implantes dentários. É importante que todo o trabalho realizado e os dentes mantenham-se em perfeito equilíbrio e harmonia, pois disto dependerá a longevidade e o sucesso do tratamento. Nesta consulta de manutenção o dentista avaliará o aspecto gengival, o aspecto radiográfico, o qual inclusive servirá de controle, pois deverá ser feita a cada ano permitindo a comparação entre os exames realizados, a fim de atestarmos o sucesso do tratamento realizado.

Portanto, para pacientes que possuem implantes dentários  (já concluídos ou não) , é importantíssimo que façam este retorno para controle preventivo. A prática de higiene bucal apropriada é um fator fundamental para o paciente garantir a estabilidade, por um longo prazo, dos resultados obtidos no tratamento.

O paciente, com prática e dedicação irá melhorar a cada dia a qualidade de sua escovação, sendo esta, portanto, uma questão de treino. O paciente deverá fazer sempre um auto-exame e se avaliar.

Assim, minimizamos os riscos de problemas no futuro, uma vez que os implantes dentários possuem tecnologia delicada e de precisão, onde qualquer transtorno pode ter solução difícil. Concluímos que visitas periódicas para avaliação clínica e radiográfica contribuem para o sucesso dos trabalhos realizados. É de extrema importância que o paciente não tenha hábito de ranger ou apertar os dentes, quer esteja dormindo ou acordado, pois desta forma haverá uma sobrecarga nos mesmos, bem como nos implantes dentários existentes e suas respectivas próteses, podendo ocorrer danos em todas as estruturas mencionadas. Quando este problema existir, será necessário o uso de uma placa de mordida, que protegerá seus dentes e implantes dentários de tal força. Preste atenção se você possui estes hábitos, pois eles são nocivos à saúde bucal.

Para uma maior longevidade do trabalho realizado:

A partir deste momento, a funcionalidade na sua boca foi restabelecida pela colocação de uma prótese. Dependerá quase que exclusivamente de você, o tempo necessário para que se habitue a ela. Há que se ter paciência, muita determinação e, sobretudo exige-se prática para se adaptar às alterações que ocorrerão em sua boca. É muito importante salientar que não se pode comparar sua prótese atual com a que você estava usando há algum tempo, pois as condições em que foram confeccionadas, neste momento, são totalmente distintas da anterior.

Aprendendo a usar a prótese:

Quanto mais tempo você usar a prótese, mais rápido irá adaptar-se. A primeira sensação que você terá com a prótese nova é a de que você está com a boca cheia. Para diminuir seus efeitos, engula com mais frequência e tão logo, este sintoma desaparecerá.

Sua aparência pode não lhe parecer satisfatória no ato da instalação da prótese, porém /é bom lembrar que os músculos faciais e labiais se adaptarão à nova situação em torno de 4 à 6 semanas. É normal também a prótese machucar no início. Quase sempre são necessários controles posteriores para desgastes e ajustes de mordida. Não se deve, em hipótese alguma, usar lixas para desgastar a prótese, tentando eliminar os pontos de pressão. Também não se deve fazer uso, em caso de próteses parciais removíveis, de alicates, para tentar apertar ou afrouxar o grampo da mesma. Neste casos, procure imediatamente o seu dentista.

Alimentação:

Quanto mais tempo você empregar à mastigação, mais rápida será a adaptação.

  1. Comece a comer porções pequenas de alimentos macios que requeiram pouca mastigação.
  2. À medida que for progredido, coma alimentos cada vez mais sólidos, mastigando-os vagarosamente e igualmente em ambos os lados.
  3. Higienização após as refeições: escove as próteses totais e parciais removíveis, com uma escova apropriada, usando água morna e são neutro. O uso de pós e cremes dentais desgastam o acrílico empregado nas bases e nos dentes das próteses. Também poderão ser usados líquidos e pastilhas efervescentes apropriados para limpeza.
  4. Pode-se dormir com as próteses, no entanto, se o paciente sentir dificuldades, dores na boca ou sofrer a queda da prótese, o melhor é ficar sem ela durante este período.
  5. O uso de fixadores de próteses deve ser indicado pelo dentista. Não deve ser usado sem orientação.
  6. No caso de próteses fixas (sobre dentes ou implantes dentários), use fio dental diariamente para remover os restos de alimento que ficam abaixo e ao redor da mesma. Para facilitar o uso do fio devemos usar o “passa fio”, uma agulhinha plástica que guiará o fio por baixo da ponte, levando-o de um lado para outro.É recomendado o uso de escovas interdentais. Elas removem partículas de alimentos dos espaços entre os dentes, bem como ao redor e abaixo de coroas e pontes.
  7. No caso de próteses totais retidas por implantes dentários (Overdentures) estes também devem ser muito bem limpos, com o uso de escova normal, escova interdental e também fio dental (entre a gengiva e a protese). A higiene bucal correta é um fator determinante para a perfeita manutenção das próteses e dos implantes dentários. O descuido com a higiene bucal, leva à doença dos tecidos que sustentam e protegem os implantes dentários, comprometendo o seu sucesso, podendo até mesmo levá-los à perda. O objetivo de uma cuidadosa manutenção é a preservação continua de saúde bucal e dos trabalhos de reabilitação realizados, obtendo o sucesso por um longo prazo.

Tempo de duração da prótese:

É muito difícil prever a durabilidade de uma prótese, porém, esta será muito mais se tivermos um rigoroso controle periódico do serviço executado. Por isso, sugere-se que pelo menos uma vez ao ano você retorne ao seu dentista para controle e manutenção. Nesta sessão, faremos a análise quanto à adaptação das próteses e dos tecidos ao redor das mesmas. Perda da estética, da harmonia facial, desgastes, dos dentes, falta de retenção e reabsorção óssea ao redor de dentes ou implantes dentários, são alguns itens importantes para indicação ou para a confecção de uma nova prótese.

Protocolo tipo Branemark prótese fixa em resina (sobre implantes dentários):

É um tipo de prótese que é fixada somente sobre implantes dentários, para pacientes que não possuem dentes. Essa prótese envolve todos os dentes superiores ou inferiores e deve ser rente à gengiva. Esses dentes são de acrílico prensado, importado e entre os dentes da prótese e a gengiva é colocada uma gengiva artificial com as mesmas características do paciente, para devolver a altura da mordida que ao longo dos anos foi perdida pela perda dos dentes. Essa é uma técnica de reabilitação onde todo o trabalho é fixo nos implantes dentários através de parafusos e somente o dentista pode remover na manutenção, que deve ser feita conforme orientação do profissional.

  1. OVERDENTURE 

É um tipo de prótese total, dentadura, a qual é fixada nos implantes dentários por um sistema de encaixes (o’ring, barra clip ou outros), onde o paciente coloca e retira da boca para higienização. Diferente do protocolo em que a prótese é apoiada somente nos implantes dentários, este tipo também se apoia na gengiva. Os dentes são de resina acrílica, importados e neste tipo de prótese são envolvidos todos os dentes superiores ou inferiores. Esses dois casos são para pacientes desdentados totais.

  1. COROA DE PORCELANA

É um tipo de prótese fixada no dente ou implantes dentários, podendo substituir um ou até mesmo, vários dentes. A coroa de porcelana quando é fixada ao dente, requer um desgaste prévio no mesmo de até 2 à 3 mm do seu tamanho original, sendo que a coroa irá recobrir que restou deste dente, devolvendo sua cor e tamanho original. Está indicada para dentes desgastados, fraturados, com tratamento de canal realizado, por motivos estéticos, funcionais, para dentes mal posicionados e outros motivos e específicos. É composta de uma infra-estrutura de metal, ou de porcelana reforçada e recoberta de porcelana que imita a aparência natural dos dentes. Quando é fixada nos implantes dentários, ela pode ser parafusada ou cimentada como um dente natural, devolvendo tamanho, forma, função e cor natural dos dentes.

  1. PRÓTESE PROVISÓRIA OU TERAPEUTICA

É um tipo de prótese temporária que é usada enquanto se confecciona a definitiva ou enquanto se espera a cicatrização tecidual após extrações ou instalações de implantes dentários. É de confecção rápida, porém não é tão refinada nem duradoura. Possui importante efeito social e estético, além de funcional. Por serem cimentadas com um material provisório, para que seja facilmente removida, poderá vir a se soltar, porém, se isto ocorrer, procure imediatamente o seu dentista. Assim como qualquer prótese, pode trazer um ligeiro desconforto inicial, bem como, requerer alguns ajustes.

  1. FACETAS DE PORCELANA

É uma fina camada de porcelana que recobre a parte do dente envolvida no seu sorriso. Normalmente é feita em dentes que contém manchas, cor alterada por tratamento de canal ou por algum motivo que necessite dar uma estética melhor ao dente. É feito um leve desgaste no dente para que a faceta seja cimentada, com material próprio para esse tipo de prótese.

  1. CLAREAMENTO DENTÁRIO

Cuidados a serem seguidos durante o clareamento dentário:

  1. Evitar sucos e frutas cítricas, refrigerantes, cafés, chás, vinhos, cigarros, chimarrão, enquanto estiver fazendo o tratamento, pois estes retardam o processo de clareamento dos dentes;
  2. Não utilizar qualquer produto caseiro ou outras substâncias branqueadoras associadas ao tratamento;
  3. Em caso de clareamento caseiro, não beber ou comer enquanto estiver usando as moldeiras de clareamento;
  4. O tratamento não pode ser interrompido; caso ocorra, o tratamento terá que ser prolongado;
  5. Contra-indicações: na verdade não existem contra-indicações para técnica de clareamento doméstico, porém pessoas com hipersensibilidade dentária, tais como aquelas que possuem retração gengival, podem, durante o tratamento, acusar um desconforto a trocas térmicas e a ingestão de substâncias doces/e ou ácidas. Nestes casos, o mais indicado seria a suspensão imediata do tratamento e a consulta ao dentista responsável. Normalmente, uma interrupção temporária do tratamento associada às aplicações de flúor promove e eliminação da sintomatologia dolorosa, permitindo, tão logo, o reinício do tratamento. Se a sensibilidade for intensa, ligar para o dentista que dará as orientações necessárias para continuidade do mesmo;
  6. Após 6 meses à 1 ano do término do clareamento, retornar ao dentista para reavaliação da necessidade de manutenção. Esta manutenção irá variar de acordo com hábitos do paciente. Por exemplo, pessoas fumantes e de grande consumo de substâncias pigmentadoras (café, chá e/ou chimarrão) poderão necessitar mais cedo de uma manutenção;
  7. O paciente deve estar consciente que, após o tratamento clareador, talvez tenha que trocar ou retocar as restaurações antigas: uma vez que as restaurações não sofrem à ação dos clareadores, sendo assim, parecerão mais escuras frentes aos dentes clareados, causando desarmonia estética. Baseando nisso, recomendo-se sempre antes da troca ou realização de reabilitações estéticas, que o clareamento dentário deva ser executado primeiramente;

Qualquer dúvida, ligar para seu dentista.

CONHEÇA NOSSAS CLINICAS

Unidade Santo Amaro

Rua Iguatinga, 397 - São Paulo SP
Dr. Marcio Guerra Passos - CRO: 45468
CROCL: 6683

Unidade Mooca

Rua do Oratório, 1606 - cj 110 - São Paulo, SP
Dra. Jéssica Quadros - CRO: 104673
CROCL: 8164

Unidade Diadema

Praça Bom Jesus de Piraporinha, 57 - SL 03, Piraporinha, Diadema - SP
Dr. Eduardo Nakanishi - CRO: 46079
CROCL:10054